Topografia do Aparelho Psíquico

Freud divide o aparelho psíquico em dois grandes grupos e dentro de cada um desses, três extensões. No primeiro grupo encontram-se Consciente, Inconsciente e Pré-Consciente, já no segundo grupo é estabelecido, Id, Ego e Superego.

Freud compara o psiquismo humano a um iceberg, onde temos temos a parte que fica sobre a água, emergindo, sendo uma pequena parte de todo o iceberg que é referente ao consciente, o pré-consciente é referido por Freud entre a parte visível e a parte que não é possível de ser vista no iceberg, sendo a zona intermediária. E por último a maior parte, e que fica escondida, sendo essa parte o inconsciente .

Divisão Topográfica da Mente

  • Consciente
  • Pré-Consciente
  • Inconsciente

Consciente, sendo essa a parte visível o consciente, ligado ao raciocínio, analises e pensamentos que conseguem ser expressadas voluntariamente. Sendo essa a parte na qual se pode chegar através de reflexão e introspecção da mente de forma consciente. Para Freud o ser humano ia além da consciência como era dito, a consciência é possível de ser controlada de acordo com nossas necessidades e para Freud existia um instancia psíquica que explicava mais do comportamento humano, que posteriormente veio a afirmar o inconsciente.

Pré-consciente, atuante entre o consciente e o inconsciente numa imagem do iceberg seria a parte que está na zona flutuante entre o que pode ser facilmente visto e o oculto pelo mar. O pré-consciente está estabelecido nas memórias que são guardadas e nos conhecimentos que possuímos, para se chegar ao pré-consciente é mais fácil que chegar ao inconsciente e menos complexo do que o consciente. O Pré-Consciente atua como uma barreira para o desejo social inaceitável, que faz com que ocorra o recalque.

Inconsciente, essa corresponde a parte oculta do iceberg, a parte submersa e que é mais complexa de ser acessada, nele se encontra os Eros e Thanatos, Eros é para a mitologia grega o deus do amor, simbolizando a pulsão de viver, necessidades básicas do ser humano como alimentação. Já Thanatos é o deus grego da morte, simbolizando o instinto de morte que é comportamento vil, agressivo e de destruição. O inconsciente só está disponível para a consciência de forma “sutil”, disfarçada, através de lapsos, sonhos dentre outros que chegamos e então podemos confrontar diretamente.

Estrutura da personalidade

As teorias de Freud foram baseadas em suas experiências de análise clínica, Freud então desenvolveu a despeito do Id, Ego e Superego, sendo essas estruturas funcionando em níveis destintos da nossa consciência. Elaborando sobre cada uma delas temos:

Id, é impulsivo e está para o prazer, buscando a satisfação imediatista desse impulso não lhe importando quais consequências virão. Intimamente ligado a libido, ligado ao inconsciente da mente, desconsiderando a ética, agindo puramente baseado em estímulos instintivos. Esse sendo um competente nado dos indivíduos, nascendo com eles, essas pulsões e vontades primitivas são formadas pelos desejos orgânicos pelo prazer, a partir do Id se desenvolve as outras partes da personalidade humana, sendo elas o Ego e o Superego.

Ego, sendo esse a parte consciente da mente, responsável pelos pensamentos, sentimentos e memória, assim como a percepção. O Ego é o regulador, enquanto Id é regido por impulsos, Ego regula e busca o equilíbrio, sendo regido pelo “principio da realidade” tem comportamento moral, levando em consideração as normas éticas. Ele é a balança entre id e superego. O Ego se desenvolve nos primeiros anos de vida da pessoa e é o que manter a sanidade. No seu significado proveniente do latim, “eu”. Já traduz bastante de sua atuação, o ego é o responsável para a tomada de decisão, representante da razão ou racionalidade contrário a paixão irracional. Enquanto Id ignora a realidade, Ego tem consciência da realidade e a usa.

Superego, sendo esse o oposto ao id, julgador das intenções do indivíduo. O superego é a moral e social dentro da personalidade de cada um, o superego se desenvolve a partir do ego na representação da cultura, valores morais e sociais atuante como um julgador e conselheiro para o Ego, dando a direção do que deve ou não ser feito. Quando é dito sobre a moral do superego ela não é distinta da moral do ser, ela é a moral do ser em si em toda a sua experiência e vivência do que foi elaborado durante toda a sua vida e essa construção da moral, constrói o superego.
Freud elabora que o superego inicio o seu desenvolver a partir dos cinco anos de idade, quando inicia também o contato com a sociedade e se intensifica, a vivência com as pessoas de outros ciclos.

Por fim, esses três componentes da formação da personalidade bem como o inconsciente, pré-consciente e consciente são parte da nossa essência e meios de compreensão do nosso ser.

Foi útil para você? Curta, Comente e Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *